Um exame de voz silenciosa ou impacto do bullying tanto nas mortes quanto nos perpetradores

A-Silent-Voice-Koe-No-Katachi

A Silent Voice é um filme de anime de 2016 que examina o impacto do bullying da perspectiva do intimidado e do agressor com uma mensagem edificante.

A Silent Voice também conhecida como Koe no Katachi ( The Shape of Voice ) é uma adaptação cinematográfica de anime de 2016 da série mangá de mesmo nome de Yoshitoki Oima do famoso To Your Eternity . A história examina o impacto do bullying de duas perspectivas: a de Shoko Nishimiya – uma menina surda que é vítima de bullying implacável na infância – e Shoya Ishida, o menino que intimidou Shoko quando criança.

Uma grande parte do que faz A Silent Voice se destacar como filme é que ele examina seu assunto de uma forma pouco convencional. Isso faz muito mais do que colocar um ex-valentão no caminho da redenção, reconciliando-se com seu ex-colega de classe; também analisa algumas das razões pelas quais o bullying acontece em primeiro lugar e como isso afeta outras pessoas que são apanhadas no fogo cruzado. O filme também examina o fracasso do sistema escolar em proteger crianças vulneráveis ​​e prevenir o bullying.

O Bullying Acontece Como Uma Forma De Busca De Aceitação

A-Silent-Voice

Um dos argumentos apresentados por A Silent Voice é que o bullying acontece como uma forma de buscar a aceitação dos outros . Esse tema é mais explorado com a personagem Shoya Ishida, que – quando criança – era bastante popular entre seus colegas de classe. Como um aluno da sexta série, Shoya era sociável e extrovertido, e tinha seu próprio grupo de amigos que o apelidaram de “Sho-chan”. Tudo isso desabou rapidamente no dia em que Shoko Nishimiya foi transferido para sua classe.

Quando Shoko chegou pela primeira vez à escola de Shoya, ela se apresentou com mensagens escritas em um caderno em vez de realmente falar. Ela revelou em uma das mensagens escritas que é surda e que seus colegas podem se comunicar com ela escrevendo em seu caderno. Nenhuma das crianças sabia como reagir a Shoko no início. À medida que a conheceram, colegas de classe mais solidários, como Miyoko Sahara, optaram por aprender a linguagem de sinais japonesa (JSL) para se comunicar melhor. Outros colegas de classe, como Naoka Ueno e o grupo de amigos de Shoya, exploraram a deficiência dela para se divertir.

De todos os valentões de Shoko, Shoya foi o mais impiedoso, puxando seus aparelhos auditivos e jogando-os pela janela, e às vezes até no lixo. Por um tempo, isso o tornou popular entre seus amigos. No entanto, um dia, sua intimidação foi longe demais, e sua brincadeira de costume resultou em ele ferindo gravemente uma das orelhas de Shoko. Esta é a única vez que suas ações resultaram em ação disciplinar por parte da escola, o que levou seus amigos a abandoná-lo como um ato performativo de autopreservação. Mais tarde, eles também se tornaram seus agressores, o que facilitou seu isolamento social.

Apesar de Shoya ser um agressor e Shoko sua vítima, os dois eram movidos pela mesma necessidade das crianças: queriam ser aceitos pelos colegas. A diferença é que Shoya buscou aceitação de uma forma extremamente mal-adaptativa, enquanto Shoko tentou acomodar seus colegas da melhor forma que pôde, dada a natureza de sua deficiência.

O Bullying É Internalizado Como Auto-Aversão

A-Silent-Voice-Shouya-Ishida

O bullying resultou em consequências significativas para Shoya e Shoko, que internalizaram suas experiências quase da mesma maneira. Ambos se consideravam intrinsecamente desagradáveis, embora por razões diferentes. Shoko acreditava que sua deficiência a tornava desagradável porque causava problemas para outras pessoas, enquanto Shoya acreditava que seu passado como um valentão o tornava uma pessoa terrível, indigna do amor dos outros. Como resultado, os dois aprenderam a se odiar.

A internalização do ódio por si mesmo pavimentou o caminho para a depressão e ansiedade social dos adolescentes tanto em Shoya quanto em Shoko. Para Shoya, isso se manifestou por ele não ser capaz de olhar as pessoas nos olhos e se retirar de situações sociais. Quando ele era um estudante do terceiro ano do ensino médio, ele já estava planejando seu suicídio vendendo todos os seus bens, pagando o dinheiro devido à sua mãe e fazendo as pazes com as pessoas que machucou no passado, incluindo Shoko. Depois de amarrar todas as pontas soltas, ele estava preparado para acabar com sua própria vida.

No caso de Shoko, sua depressão e ansiedade social vieram na forma de constantemente desculpar-se com seus agressores por terem abusado dela e de se afastar de situações sociais. Ela também tentou acabar com a própria vida, racionalizando que, se desaparecesse do mundo, deixaria de ser um fardo para os outros.

A Responsabilidade É O Primeiro Passo Para A Cura Emocional

A-Silent-Voice-Cropped

Depois que A Silent Voice examina as repercussões do bullying em Shoya e Shoko, o resto do filme explora seu processo de cura. Para ambos os protagonistas, a reconciliação provou ser uma parte importante de sua cura emocional.

Para Shoya, reconciliar-se com Shoko deu a ele a oportunidade de confrontar significativamente seu passado, tornando-se amigo dela e tratando-a com mais respeito. Isso implicou em conhecê-la melhor e aprender a fazer parte de sua vida de uma forma enriquecedora para ambos. Ele aprendeu a linguagem de sinais para ser capaz de se comunicar melhor com ela e, mais importante, pedir desculpas pelos anos de dor e sofrimento que causou. Depois de se desculpar adequadamente com Shoko, Shoya parou de se ver como uma pessoa terrível e começou a se aceitar como um ser humano digno de amor e respeito.

Para Shoko, reconciliar-se com Shoya deu a ela a oportunidade de se relacionar com alguém fora de sua própria família e fazer parte da vida de alguém que não era membro de sua comunidade. Shoya aprender a linguagem de sinais apenas para ser capaz de se comunicar significava muito para ela, pois mostrava que ele estava comprometido em fazer parte de sua vida de forma significativa. Quando ele impediu que Shoko acabasse com sua própria vida, Shoya a lembrou de que ela não era responsável pelo comportamento dos outros e que ela merecia tanto amor e respeito quanto qualquer outra pessoa. Shoko então começou a entender seu próprio valor como pessoa, comprometendo-se a mudar sua atitude em relação a si mesma.

Como filme, A Silent Voice explora muitos dos mesmos temas comumente tocados em outros animes e mangás que lidam com o bullying como um assunto central. No entanto, ele examina de forma sucinta o impacto do bullying não apenas na vítima, mas também no perpetrador e em outros que são pegos no fogo cruzado. Além disso, analisa como as escolas ajudam a facilitar sua ocorrência. No entanto, termina com a nota edificante de que é possível curar da experiência de bullying com o sistema de apoio adequado.